Trafico na praça de Extrema

Marcus Vinicius - de blusa azul - no Taxi do Robertão...!

Marcus Vinicius – de blusa azul – no Taxi do Robertão…!

A velha Extrema, no extremo Sul de Minas, há poucos metros da fronteira com o Estado de São Paulo, é a cidade que mais cresceu nas duas ultima décadas em Minas Gerais. Duplicou a população em 20 anos! E duplicou também a criminalidade. Furtos & Roubos e trafico de drogas na cidadezinha de pouco mais de 30 mil habitantes encostada na Serra da Mantiqueira de frente para o por do sol, é mato!

Segundo amigos ocultos da lei, o trafico formiguinha funciona a plenos pulmões na praça Cel. Simeão. Quando os formiguinhas avistam os homens da lei, eles se espalham e desaparecem no formigueiro sem deixar rastros.

No final da noite de sexta os homens da lei resolveram armar uma arapuca para os formiguinhas da praça Cel. Simeão… Antes de se aproximar da praça, outra equipe se postou na Rua Alexandre Bortolotti! Quando o formigão Marcos Vinicius Silva de Souza Ferreira tentou sair de fininho pela tangente, acabou caindo nos braços da lei!  Ele levava na algibeira 13 barangas de farinha do capeta e 10 de erva marvada!

Apesar da quantidade e variedade da droga, Marcos Vinicius jurou de pés juntos que não é traficante!

– Comprei em São Paulo para meu consumo! – Alegou ele.

Pode até ser, mas vai passar por abstinência! Depois de sentar ao piano do paladino da lei na Delegacia Regional de Pouso Alegre, Marcos Vinicius, que ainda não tem passagem pela policia em Minas Gerais e estava apenas visitando o tio na cidade fronteiriça, vai passar uma temporada no velho Hotel de Extrema

 

PM prende Jardineiro da madrugada

 

Anderson Adilson Silva Gonçalves, o 'jardineiro' da madrugada!

Anderson Adilson Silva Gonçalves, o ‘jardineiro’ da madrugada!

Passavam os homens da lei pela Padre Natalino, no velho Aterrado, à uma e meia da manha desta segunda, 24, quando avistaram dois jardineiros voltando do trabalho de bicicleta. Cada um levava nas costas uma maquina comumente usada em jardinagem; um carregava um soprador de folhas e outro uma roçadeira costal.

Pensando em dar proteção aos tão sacudidos trabalhadores que estavam indo tão cedo para o trabalho, ou quem sabe contratar os serviços dos jardineiros, os policiais se aproximaram para abordagem!

Ao perceber que seriam abordados os jardineiros engataram terceira nas ‘magrelas’ e tentaram dobrar a serra do cajuru…! Um deles conseguiu. O outro acabou se enroscando nas malhas da lei e caiu com a ferramenta – um soprador de folhas – novinha em folha. A roçadeira, também nova, foi abandonada pelo outro jardineiro de araque durante a fuga.

Preso com a boca na botija, ou pelo menos com a res furtiva na mão, Anderson Adilson Silva Gonçalves não se fez de rogado!

– Eu estava passando em frente a loja RN Tintas na Avenida do Aterrado e vi três caras arrombando a loja… Como já estava aberta mesmo, eu aproveitei e peguei esta ferramenta. Eu ia vender para pagar minha faculdade…! – Contou ele ao delegado de plantão.

Anderson “Fordinho” Adilson, 27, que no ano passado esteve preso e ainda aguarda julgamento por trafico de drogas, sentou ao piano do paladino da lei e assinou o 155 triplamente qualificado. Se de fato estava estudando, terá que trancar matricula, pois desde a manha desta segunda ele ficará trancado… No Hotel do Juquinha!

 

 

O encontro com meu pai

Minha mãe Eva, minha irma Ivone e meu pai Daniel em meados de 1953...!

Minha mãe Eva, minha irma Ivone e meu pai Daniel em meados de 1953…!

Cinco horas da tarde quente de verão.

Ar num tom pastel, parado.

Ruas desertas.

Sem saber por que levantei-me da banqueta do barzinho de três portas na esquina da rua São Jose com Adalberto Ferraz.

Dei três passos para trás e olhei para a direita.

Na baixada, perto da Travessa Pedro Adão, ele vinha a passos lentos e firmes!

Não acreditei nos meus olhos… Era meu pai!

Comecei tremer e fiquei ali estático na calçada, sem mover um passo, sem piscar, com medo de perdê-lo de vista!

Só quando ele chegou bem perto estendi os braços, com a voz embargada e o abracei…

Senti seu corpo quente, forte, seus ossos duros! Tal como eu sentia toda vez que o abraçava anos antes.

Correspondeu o abraço com alegria, porém com menos efusão que eu. Ele sempre foi contido!

Meu pai estava com a aparência de cinquenta e poucos anos.

Vestia calça bege e camisa no mesmo tom. Estava barbeado, penteado, semblante sereno como sempre.

Fiquei quase um minuto abraçando e apalpando meu pai enquanto repetia perguntas sem esperar respostas…

– É você mesmo?

– Há quanto tempo!

– O senhor está muito bem…

– Quanta saudade…!

Voltei a abraça-lo e sentir seus ossos duros no meu peito, nos meus braços… Queria ter certeza de que era ele!

Demorou um pouco para meu coração voltar aos batimentos – quase – normais…!

E saímos caminhando lado a lado, conversando amenidades… – Tinha tanta coisa pra conversar!

Viramos na esquina e subimos a Dr. Lisboa.

Eu não cabia em mim de alegria… Há anos eu não abraçava meu pai! Há anos eu não ouvia sua voz suave e tranquila!

Ele pouco falava… Eu não deixava!

A praça Senador Jose Bento tinha mais movimento. As lojas, prédios, pessoas… Tudo tinha um tom pastel! Parecia que estávamos nos anos 1960!

Entramos na pastelaria Chinesa…

De repente meu pai se levantou da banqueta, disse que havia esquecido alguma coisa e saiu para buscar…!

Eu estava tão absorto, tão inebriado com sua presença depois de tantos anos, que nem me dei conta de perguntar o quê, ou pedir pra me esperar, ou ir junto com ele buscar o que quer que fosse, onde fosse!

Quando me dei conta de que não havia necessidade de ele se afastar para buscar qualquer coisa, já era tarde…!

Saí à rua à sua procura e não mais o vi! Aos poucos fui me dando conta de que o perdera de novo!

Comecei chorar, de desespero…!

Aos poucos fui compreendendo que meu viera apenas me abraçar, matar minha imensa saudade, mostrar que também tinha saudade e que estava muito bem, mas não poderia ficar… Por isso dera uma desculpa qualquer para partir sem se despedir!

Eu ainda podia sentir seus músculos rijos, seus ossos duros no meu abraço…

Parei de soluçar…

Mas as lagrimas continuaram caindo!

Agora eram de alegria, de prazer, de agradecimento… Meu saudoso pai viera me abraçar, se deixar abraçar e mostrar que estava muito bem!

Ainda dei alguns passos na calçada, sem ver ninguém, olhando longe, saboreando o prazer de ter abraçado meu pai depois de tanto tempo…

De repente senti o travesseiro molhado…!

Abri os olhos…

Não me vi no espelho, mas senti que minha boca, meu rosto tinha um sorriso de orelha a orelha…!

Acho que até meus braços ainda estavam abertos…!

Sorrindo entre lagrimas levantei, atravessei o quarto, a sala e fui direto ao quarto do meu filho Daniel como que levado por alguém! Todo espatifado no seu bercinho, ele tinha a expressão serena de toda criança enquanto dorme!

Fiz-lhe um cafuné com o dorso dos dedos dobrados… “Fica com Deus, filho. Fica com Deus, pai”, e voltei sorrindo para o meu quarto…

Virei o travesseiro molhado e voltei a dormir… Com um largo sorriso no rosto!

Depois de tantos anos, eu havia abraçado meu pai! Eu tive o privilegio de abraçar meu pai novamente! Ainda podia sentir seu corpo, seu cheiro, seu olhar sempre manso, sereno e alegre…

Se meu pai não tivesse desencarnado em julho de 1997, neste domingo, 23 de agosto, ele estaria comemorando – com seus 11 filhos, 35 netos e 30 bisnetos – 87 anos!

Fica com Deus, pai!

Peão ‘cai do boi’ em Monte Verde

Gersinho, o peão que caiu do boi em Monte Verde!

Gersinho, o peão que caiu do boi em Monte Verde!

Gerson Wander da Silva tem 27 anos e mora no Distrito de Monte Verde. Gersinho, como é conhecido inclusive no meio policial, é um bom menino de cidade pequena. Como todo mundo da sua geração teve oportunidade de estudar quando adolescente. Mas não ligou muito para os estudos. Hoje não tem uma profissão e consequentemente não tem um emprego fixo e bem remunerado. Mas ele não se aperta. Para sobreviver e sustentar três filhos – dois com a ex e um com a atual companheira, – ele pega no pesado. Faz ‘bico’ de qualquer coisa… Garçom, servente de pedreiro, jardineiro! Se for preciso até drogas ele vende! Foi preso em 2009 por isso, mas ficou apenas dois meses atrás das grades. Foi indicado por trafico novamente me 2011, mas nem chegou a ser preso, pois a droga era dos amigos!

Apesar de topar qualquer parada para levantar uns trocados, o que Gersinho gosta mesmo de fazer é montar em bois! É peão premiado nas redondezas de Camanducaia! Recentemente ganhou um premio de R$ 3 mil depois de oito segundos no lombo de um touro bravo.

Gersinho é também um bom contador de historia! O que você acabou de ler, foi ele quem me contou no meio da tarde deste sábado, 22, enquanto esperava o Taxi do Magaiver para o Velho Hotel de Extrema!

Ainda segundo Gersinho, peão de rodeio, contador de historias e vendedor de drogas diversas nas horas vagas, ele está às voltas com um pedido de pensão alimentícia feito pela ex-companheira, mãe de dois – prováveis – filhos seus…

– No dia 27 tenho audiência no Forum de Camanducaia… Vou pedir o exame de DNA pra ver se eles são mesmo meus filhos – Diz ele.

Enquanto não tem certeza se terá ou não que pagar os R$ 5 mil pedidos pela ex-carametade, Gersinho resolveu se garantir…

– Eu peguei os tres mil reais que eu tinha ganhado no rodeio e comprei drogas para revender… Dava para triplicar o investimento! – Contou ele meio arrependido.

A venda da droga estava indo bem até que algum amigo oculto da lei, ou quem sabe um concorrente, acabou caguetando Gersinho…!

 

Maconha, crack, cocaína e balança de  precisão encontradas na casa de Gerson Wander...!

Maconha, crack, cocaína e balança de precisão encontradas na casa do peão de rodeio Gerson Wander…!

Às duas da tarde desta sexta, Dia do Folclore, os homens da lei foram fazer uma visita ao peão em sua casa, na Rua do Corrego… E o comercio de drogas de Gersinho foi por agua abaixo! Em seu quarto os policiais encontraram mais de quinhentas barangas de farinha do capeta, meia dúzia de patuás de pedras bege fedorentas e vários patuás de erva marvada!

No momento da busca Gersinho não estava em casa. Ele foi preso algumas horas depois em uma Blitz da PM, na entrada do Distrito. Na ausência do peão traficante, os policiais levaram seus pais e sua amasia para a DP.

– Eu estava no bairro Santa Luiza repassando uns bois para o próximo rodeio… Minha irmã me ligou dizendo que os ‘zomi’ tinham levado meus pais, por isso eu resolvi me entregar. Pedi para um amigo me levar para casa e no caminho, antes de chegar em Monte Verde tinha uma blitz me esperando! – Contou Gersinho com ar de piedade.

… E o peão caiu do boi!

Ele tinha cinco mil do premio do ultimo rodeio, mas preferiu investir no trafico…! Trocou um pássaro na gaiola por uma dúzia voando! Acabou ficando sem piruá e sem pipoca!

Gersinho, o peão que caiu do boi, assinou seu terceiro 33 e foi se hospedar no velho Hotel de Extrema!

 

Minha casa… Minha prisão

 

Casa do novo cidadão brasileiro que saiu da pobreza!

Casa do novo cidadão brasileiro que saiu da pobreza!

Outro dia ao passar na frente de uma loja no centro da cidade fui abordado por uma funcionaria, leitora do Blog. Extrovertida e muito à vontade ela foi logo dizendo:

– Oi Chips… Daqui uns dias vou precisar de voce! Estou aguardando o sorteio da minha casinha no Jardim Brasil… Se eu não for sorteada, tem maracutaia! Vou colocar a boca no trombone… Quero que você faça uma reportagem sobre isso!

-…!!!

Dias depois, voltando de um restaurante rustico na Estrada da Torre, passei casualmente ao lado do loteamento mencionado, Jardim Brasil II, na extremidade oeste do Bairro São João. Não pude deixar de observar a obra que pretende tirar centenas de famílias da pobreza, segundo o discurso do atual governo! Não pude deixar de observar a pobreza da obra…! Tanto que semanas depois voltei ao local para fotografar, filmar, medir…!

 

Cozinha...

Cozinha…

Trata-se casinhas de pouco mais de quarenta metros de construção, com cozinha, sala, banheiro e dois quartos. Todos diminutos. Parece uma caixa de fosforo! A cozinha é tão pequena, tão pequena que o morador terá que optar entre o fogão, a geladeira e o armário: um dos três terá que morar na sala! Fazer comida à quatro mãos, nem pensar… Não cabem duas pessoas na beira do fogão! Comer na cozinha, só se for em pé, um de cada vez! Na sala cabe um sofá pequeno, uma poltrona e a estante com TV encostada na parede do banheiro…! O casal naturalmente ocupará um dos quartos onde não cabe o bercinho dos bebês que vão nascer! No outro quarto dormirão em beliches os três filhos do casal, – famílias de baixa renda tem no mínimo três filhos pequenos! – até quando se casarem! O teto não tem laje… é de forrinho de PVC!

 

... Sala, banheiro de frente e dois quartos...

… Sala, banheiro de frente e dois quartos…

O quintal tem dois metros de largura em cada lateral. E quatro tanto na frente quanto no fundo! Dá para fazer um mini-jardim na frente e plantar no fundo um pé de limão galego e mantê-lo podado para não crescer demais; e um pé de jiló… Pra combinar com a vida, que vai ser azeda e amarga!

As casas são coladas uma na outra… Não há privacidade! Um arroto na casa do Everaldo, será ouvido na casa do Adalberto…!

Imagine o operário Givanildo que trabalha à noite e dorme de dia… Ele tentando dormir às dez da manhã e a vizinha Ivaneide lavando roupa no tanque e ouvindo o Bonde do Tigrão na radio FM! Givanildo vai virar uma fera, não vai não?

E à noite… Um vizinho vendo o jogo do ‘Curintia’ e a vizinha tentando assistir Babilonia ou o Programa do Ratinho…!

E quando um casal for pra cama fazer…, ah, digamos, aumentar a prole?

 

O teto...

O teto…

Se o colchão for de mola o nhec-nhec-nhec vai atrapalhar o sono do vizinho! Isso se o barulho for só da cama, pois tem casal que não consegue transar em silencio!

Se o vizinho de baixo for daqueles conservadores ou do estopim curto, no mínimo vai colocar a cara na janela e gritar:

– Vamos parar com essa putaria aí, senão vou chamar a policia…!

Imagine o stress…?

Meu Deus!

É uma judiação!

As casinhas são muito pequenas e muito próximas uma da outra…! Quase não há privacidade…!

 

... Qualidade da obra!

… Qualidade da obra!

O Brasil tem muito a oferecer aos seus brasileiros… Os políticos deviam ter vergonha de desviar tanto e entregar tão pouco!

O cidadão brasileiro que trabalha e produz, precisa… E merece algo melhor do que o que o governo está distribuindo!

E na verdade nem é de graça…!

Primeiro que cada morador “comtemplado” com “sua casa sua vida”, terá que pagar uma pequena mensalidade…!

Segundo, as casas são construídas com dinheiro do governo, ou seja: com dinheiro dos impostos do cidadão brasileiro!

A casa é onde o cidadão moderno passa 2/3 de sua vida…! Portanto ele precisa ter espaço, ter conforto, ter paz, ter alegria… Para poder levar uma vida familiar e socialmente saudável…!

O homem é produto do meio… As crianças que crescerem num ambiente tão desconfortável como esse tem poucas chances de se tornarem adultos saudáveis!

As casinhas do Jardim Brasil II, segundo meia dúzia de operários de uma empreiteira que trabalham a passos de tartaruga no local, deverão ficar prontas e entregues até dezembro.

Du-vi-de-o-dó!

Pelo andar da carruagem, elas serão entregues aos ‘sortudos’ lá pra setembro do ano que vem… Na véspera das eleições. Tem sido assim!

Obras do governo sempre são entregues à população na véspera das eleições…! Tem conjuntos habitacionais deste tipo por aí – construídos com dinheiro dos impostos do cidadão! – que servem para três ou quatro eleições! Em Conceição dos ouros tem que serviu para seis eleições!

 

... O espaço entre uma casa e outra nos fundos!

… O espaço entre uma casa e outra nos fundos!

O que mais chama a atenção na obra do “Minha Casa, minha prisão”, é o contraste entre o tamanho das casas… e o tamanho das ruas!

Impressionante!

As ruas são verdadeiras avenidas… Largas, espaçosas!

Se as ruas tivessem o tamanho condizente com as casas, poderia se construir no mínimo mais quarenta casas!

Sério!

Ou então poderiam ter feito as ruas mais estreitas e terem feitos as casas maiores ou com espaços maiores entre elas…!

Casinhas deste ‘naipe’ se constroem com menos de R$ 30 mil cada uma, isoladamente!

 

Espaço lateral entre uma casa e outra...

Espaço lateral entre uma casa e outra…

Se for produção em serie, como é o caso do projeto “minha casa, minha prisão”, cada casinha custa em torno de R$ 20 mil.

Voce conhece a praça Alcides Mosconi em Pouso Alegre?

Ela fica no bairro Nova Pouso Alegre, no final da Avenida Alberto de Barros Cobra, defronte o Colegio Cenec…

A pracinha foi revitalizada no mês de julho…

Aliás, surpreendentemente a obra terminou dentro do prazo previsto!

A reforma da pracinha custou R$ 46 mil…!

Daria para ter construído mais duas casinhas no Jardim Brasil II…!

As largas avenidas...

As largas avenidas…

Voce entende de diplomacia internacional, embaixador, consulado em outros países, essas coisas?

Eu também não conheço muito. Só o básico. E vou resumir o básico!

O Brasil mantem relações diplomáticas com 138 dos 196 países do mundo.

Para isso mantem 53 consulados gerais, 11 consulados, 8 vice-consulados, 13 missões especiais e 3 escritórios!

O quadro de funcionários administrado pelo Palácio do Itamaraty, em Brasilia, conta com 1.565 diplomatas, 839 oficiais de chancelaria, 574 assistentes de chancelaria e 441 servidores públicos concursados!

 

Dariam para construir mais uma fileira de casas...!

…dariam para construir mais uma fileira de casas!

O Brasil tem atualmente cerca de 130 embaixadores espalhados mundo afora!

O salario médio de um embaixador brasileiro, considerando as verbas indenizatórias e o desconto de IR que é de apenas 9%, chega a R$37 mil por mês!

Sem falar que nós pagamos por fora a sua moradia, o seu carro, o seu motorista, a sua arrumadeira e o seu jardineiro!

Não tente fazer as contas dessas despesas… Você vai perder o resto da semana e vai ficar doido…!

Vou citar apenas uma conta!

‘Tia’ Ana Lucy Petersen é chefe do Consulado em Nova York… Ela mora num apartamento do edifício Trump World Tower na cidade mais famosa do Novo Mundo. – A mais famosa do Velho Mundo é a velha Paris! – Nós pagamos o aluguel de sua ‘casinha’!

Chuta aí o valor mensal do aluguel da casinha da ‘tia’ Ana Lucy…!

Chutou mal… Passou longe do gol!

O aluguel do apartamento da embaixadora custa U$ 19 mil… Dólares! Por mês!

 

O aluguel mensal do aparamento da 'tia" Ana Lucy dá para construir três casinhas desta por mês no Jardim Brasil II!

O aluguel mensal do aparamento da ‘tia” Ana Lucy dá para construir três casinhas desta por mês no Jardim Brasil II!

Com o dólar beirando os R$ 3,50, o aluguel sai pela bagatela de R$ 65 mil reais por mês…!

Isso mesmo… O aluguel da ‘casinha’ da embaixatriz – ou seria consulesa? – Ana Lucy em New York dá para construir três casinhas por mês no Jardim Brasil II em Pouso Alegre!

Não, não… Não se desespere!

Levante a cabeça!

Mas não arranque os cabelos…

O Brasil tem jeito!!

Meu Brasilsão verde-amarelo é novo! Ainda é um menino de cabelos loiros e olhos castanhos cor de mel, que leva a vida ao sabor do vento …!

O Brasil ainda vai crescer e se tornar um serio e respeitável cidadão em todo o mundo!

Mas para isso, duas atitudes são fundamentais… E urgentes!

Primeiro você, meu estimado leitor, precisa se interessar por politica! Se preocupar não apenas com o tijolinho da sua casa, do seu puxadinho… Mas com toda a infraestrutura do seu bairro! Você precisa pensar duas, três quatro, cinco, oito… dez vezes antes de colocar o seu voto na urna. E fazer isso pensando na coletividade…!

Ano que vem tem eleições municipais. È um bom momento para escolher e aplicar bem o seu voto!

A segunda atitude necessária para o meninão de olhos castanhos cor de mel crescer saudável e se tornar respeitado em todo mundo, diz respeito a você – politico – que foi escolhido pelo povo para representa-lo e é pago com dinheiro dos nossos impostos…!

Voce meu estimado politico, precisa criar verrrrrgonha na cara…!

Voce precisa por a mão na consciência e parar de encher a algibeira com o dinheiro do contribuinte!

Voce precisa legislar e governar para o povo que confiou em você!!!

Se você eleitor, escolher bem o seu candidato e votar pensando na sua rua, no seu bairro, na sua cidade e no seu país…,

E se você politico, criar vergonha na cara, – existe, felizmente, uma escassa minoria que não precisa usar essa carapuça! – e honrar a confiança recebida dos eleitores, as casinhas do “Jardim Brasil” II ficarão bem maiores! E deixarão de ser ‘Minha casa, minha prisão’!

E seus moradores poderão levar uma vida realmente profícua e saudável!

Pensem cidadãos… Pensem nisso!

 

***** Abrace seu filho… Não deixe que as drogas o abracem!*****

A plantação do Zé foi por água abaixo!

 

Zé ja havia seido condenado anteriormemnte por trafico. Estava em liberddae conmdicional...!

Zé ja havia seido condenado anteriormemnte por trafico. Estava em liberdade condicional…!

Nada mais típico! Guardar drogas no terreno baldio, sem dono, ficar vigiando à distancia e pegar uma a uma cada baranga de acordo com o gosto do freguês. Se os homens da lei aparecerem não terão como provar a mercancia ilícita. Ainda que os policiais encontrem a droga no mato, “não tô aí”! “Eu moro lá embaixo”, “Só estava passando por aqui seu puliça”, dirá o traficante formiguinha!

É assim que dezenas de quilos de maconha, cocaína e crack se movimentam diariamente e chegam às bocas e narizes – literalmente – de milhares de nóias em Pouso Alegre.

De vez em quando entra agua no chop, ou seria agua no formigueiro dos traficantes formiguinhas?

Nesta quinta, 20, entrou!

Amigos ocultos da lei digitaram o 181 e contaram que um sujeito pardo, de estatura mediana, cabelos negros, usando bermuda jeans, camiseta verde de listras cinzas e chinelos havaianas, conhecido pela alcunha de “ZE”  estava em franca atividade criminosa no final da Rua Roberto Ramos de Oliveira, na baixada do Mandu!

Como denúncias deste tipo são mais comuns do que nota de dez, os homens da lei foram checar. Mas antes de dar o bote, pararam à distancia e ficaram observando…!

Era verdade!

Em poucos minutos o sujeito de bermuda jeans e camiseta verde e chinelos entrou numa valeta que divide o velho Aterrado do Cidade Foch, abaixou-se, pegou a encomenda, entregou ao nóia e guardou o dim-dim na algibeira.

Quando os policiais resolveram dar o bote, o formiguinha se afastou. Mas, passado o perigo, manso de gaiola que é, o traficante voltou ao local do crime. E aí entrou em cena aquela velha musiquinha dos Originais do Samba… : “Se oceis pensa que fumo embora…! Nóis inganamo oceis”!  “Nóis fingimos que fumo e vortemo…! Ói nóis aqui, traveis”!

O moço da bermuda Jeans, camiseta verde e chinelo era Jose Silva Martins, o “ZÉ”…!  Como esperado, em sua algibeira não havia nada de ilícito. Só a merreca de R$70.

 

A colheita feita apela policia no aterro do Altidouro Rios...!

A colheita feita pela policia no aterro do Altidoro Rios…!

Ao vasculhar o terreno baldio onde mais cedo  ele entrava e saia feliz contente, os policiais encontraram a prova do crime:

– 07 porções de maconha;

– 01 tablete de maconha;

– 02 patuás de cocaína;

– 62 barangas de cocaína

– 01 faca com resquícios de maconha.

Zé, cuja residência fica na Sapucaí há vários quarteirões dali, naturalmente jurou de pés juntos que era inocente.

Jose Silva Martins é figurinha fácil no álbum da policia. Assinou seu primeiro 33 em fevereiro de 2013. Foi condenado a 3 anos e 4 meses. Se hospedou no Hotel do Juquinha, passou pela APAC, voltou para o Hotel do Juquinha, de onde saiu em liberdade condicional há dois meses.

Diante deste conciso histórico o paladino da lei preferiu acreditar no relato dos policiais e fritou Zé no 33.

Apesar da seca que assola a região, a plantação do “Zé” na Baixada do Mandu foi por agua abaixo!

PM esmaga Formiguinha em Congonhal

Renato Donizete: - A erva é para meu uso... Sou viciado ha dois anos!

Renato Donizete Ferreira Junior: – A erva é para meu uso… Sou viciado ha dois anos!

A prisão do garoto Renato Donizete Ferreira Junior, 21, aconteceu casualmente, ao pé da noite desta quinta, 20, nas imediações do terminal rodoviário de Congonhal.

Ao perceber a passagem dos policiais o garotão grudou neles os olhos, como se tivesse culpa no cartório.

E tinha mesmo. Ao ser abordado e passar pela geral, a casa caiu! Na algibeira esquerda da bermuda Renato levava 07 barangas de erva marvada!

Mas ele jurou de pés juntos que não é traficante!

– Eu sou viciado em erva há dois anos! Fui buscar a droga no Chapadão em Pouso Alegre para meu uso! – Choramingou ele.

Apesar do choro, não teve vela… Juntando a materialidade do crime com o relato dos policiais informando que há tempos vem recebendo informações de amigos ocultos da lei, dando conta de que o jovem tem o habito de buscar drogas em Pouso Alegre para distribuir a preços módicos em Congonhal, o paladino da lei não viu outra saída… Enquadrou Renato Donizete no 33.

Até o final da manhã desta sexta, Dia do Folclore, ainda contando com intervenção de um causídico, Renato Donizete continuava no corró da DP aguardando o Taxi do Magaiver para subir para o Hotel do Juquinha.

 

Plantação de maconha no Santo Antonio

 

A escrivã Ana, do delegado de TCOs, havia pedido uns vasinhos de flores para alegrar seu ambiente de trabalho... Seu pedido foi atendido!  Como a droga, mesmo verde, exala um cheiro forte e característico do THC, no final da manhã desta quinta  a escrivã já estava ‘doidona’...!

A escrivã Ana, do delegado de TCOs, havia pedido uns vasinhos de flores para alegrar seu ambiente de trabalho… Seu pedido foi atendido!
Como a droga, mesmo verde, exala um cheiro forte e característico do THC, no final da manhã desta quinta a escrivã já estava ‘doidona’…!

A policia chegou até a plantação de cannabis sativa de Lineu na Rua Pedro Norberto, no Bairro Santo Antonio em Pouso Alegre, através de denuncias de amigos ocultos da lei.

Na verdade a plantação nem estava muito escondida… Da rua, olhando por cima do muro baixo que cerca o quintal, podia-se avistar a plantação… Dois tenros pés de maconhas plantadas em vasos!

Cecilia Mirelli Gomes da Silva e Caio Reis de Carvalho, os agricultores do Santo Antonio, não escondiam a plantação e não esconderam sua finalidade…

– Nós somos usuários de maconha, doutor… A erva é para nosso consumo. Cultivamos nossa própria maconha. Assim não precisamos fomentar o trafico de drogas na cidade! – Alegou – com certa razão – o jovem casal.

De acordo com os levantamentos prévios feitos pela policia militar no local e imediações, não foi constatado mercancia de drogas na residência do casal. Diante disso, o douto paladino da lei enquadrou o casal Caio & Cecilia no artigo 28 da lei 11.343. Eles assinaram um TCO se comprometendo a visitar o Homem da Capa Preta daqui algumas semanas e voltaram para casa, prometendo abstinência.

 

 

Leia logo mais: “Minha casa”, minha prisão!

Simplorio & Finório atacam novamente – Parte VIII!

DSC05615 Não faz um mês que a famosa dupla visitou Pouso Alegre e levou – na lábia! – cinco mil reais da aposentada moradora do Jardim Esplanada. No final da manha desta quarta, 19, a dupla de vigaristas voltou a atacar. Desta vez levou dois mil em dim-dim e cerca de dez mil reais em joias.

Passava dona Lucila – não confundir com a delegada defensora das mulheres indefesas! – pelo cruzamento da Bueno Brandão com São Jose, às onze e dez da manha, quando simplório surgiu à sua frente. O cidadão gordo, mulato, aparentado 60 anos se aproximou com a mesma ladainha de sempre…

– Dona… Eu tenho um bilhete da mega sena premiado, mas não sei como receber o premio! Se a senhora me ajudar a receber eu te dou R$750 mil…!

Antes que a simpática velhinha empilhasse os maços de notas de cem na sua bolsa virtual, apareceu Finório!

– Pelo amor de Deus moço, fale baixo… Se alguém escuta o Sr. falar em bilhete premiado, além de assaltar o Sr., eles são capazes de matá-lo! Deixa eu ver esse bilhete! Se for verdade eu ajudo o Sr. receber o premio… Mas eu também quero uma gorjeta!

– Mas eu acabei de prometer pra dona, aqui…

– Tudo bem… A gente pode dividir a gorjeta. A mega está acumulada… O premio da semana deve ser uns 18 milhões – conjecturava Finório, enquanto os olhos de Lucila nadavam numa piscina de R$750 mil.

Estava lançada a teia!

– Eu vou dar então o bilhete pra vocês dois receber pra mim. Mas antes eu quero uma prova de confiança de vocês! Voces tem que deixar um valor aqui comigo.

– Não se preocupe, eu estava justamente indo ao banco fazer um deposito na conta da empresa… Tenho aqui quinze mil reais. Tome, pode guardar com você! – disse Finorio, homem claro de estatura mediana aparentando trinta e poucos anos, entregando um pacote – de papel picado amarradinho – com uma nota de cem por cima!

– A senhora também pode deixar quinze mil comigo como prova de confiança, dona Lucila? – quis saber Simplorio.

Dona Lucila não tem empresa. Não estava indo ao banco fazer depósitos, por isso não tinha quinze mil reais na bolsa… Mas tinha parte disso em casa e no banco. Primeiro foram à sua casa na Adolfo Olinto, onde pegaram R$ 2 mil em cédulas e cerca de R$ 10 mil em joias. Depois, sempre no carro Toyota Corolla branco do Finório, foram a uma agencia bancaria do bairro Foch, onde ela sacaria R$ 5 mil.

Depois de quase três horas na companhia da dupla Simplorio & Finorio, finalmente a farsa acabou. Quando Lucila entrou na agencia para tentar sacar os últimos cinco mil, a dupla que esperava no Corolla branco engatou primeira e dobrou a serra do cajuru levando mais de quinze mil e o bilhete tão premiado quanto esse que está na sua carteira!

Quando finalmente a ficha caiu dona Lucila foi procurar a policia… Só com o cabo do guarda chuva na mão!

Quem acha que a ‘vitima da vez’ é uma daquelas velhinhas simplórias, de vestido longo cor de chita com barra pelas canelas, de blusinha de lã cinza xadrez e cabelos presos em coques na cabeça com um daqueles palitos de tricotar, se enganou redondamente! Dona Lucila, 84 anos, é uma simpática, bela e culta viúva, de tradicional família pousoalegrense, mãe – entre outros – de um alto funcionário da CEF Pouso Alegre!

Ela caiu no “Conto do Bilhete Premiado” graças à competência da dupla “Simplorio & Finório”!

Você também ainda vai cair…!

Policia prende velhinho pedófilo em Congonhal

Congonhal antigaO crime foi descoberto pela mãe do garoto. Percebendo que há alguns dias o filho vinha tendo um comportamento arredio e agressivo com a família, a mãe passou a observá-lo. Ao pé da noite desta terça, quando ele entrou para tomar banho, dona L. aproveitou para consultar seu aparelho celular! E lá estava a prova do crime! Seu filho aparecia em varias fotos… Em trajes de Adão! Numa delas aparecia uma mão masculina, já de idade avançada, tocando seu pinguelé! – Na linguagem popular e vulgar, esse gesto tem outro nome, começado com a letra ‘p’…!

Pressionado pela mãe o garoto contou que a ‘mão boba’ era do vizinho Sebastião Ribeiro, que mora na casa dos fundos da casa deles. Segundo K.O.P., o velhinho de 69 anos o convidou para ir a uma igreja em construção perto das sua casa e lá, por mais de uma vez, tirou sua roupa, abraçou seu corpo e acariciou seus órgãos genitais.

Ao receber as pulseiras de prata dos homens da lei em sua casa, Sebastião Ribeiro admitiu aos policiais e aos pais do menino que por algumas vezes de fato havia acariciado as partes pudendas do garoto, mas não passou disso.

Ao sentar no piano do paladino da lei em Pouso Alegre, o aposentado optou pelo silencio. Ficou tão mudo quando essa tela que você está lendo.

Seu silencio sepulcral, no entanto, não lhe serviu de defesa. Sebastião Ribeiro da Silva, 69 anos, foi enquadrado nas iras do artigo 217-A do CP, com redação dada pela Lei 12.015/2009, ou seja; “estupro de incapaz”, cuja pena varia de 8 a 15 anos de cana.

Desde a madrugada desta quarta o novo endereço do velhinho pedófilo do bairro Grota Rica em Congonhal é… o garboso Hotel do Juquinha em Pouso Alegre