Mãe desesperada paga resgate da filha à prestação

Depois de receber a primeira ‘parcela’, o sequestrador continuou extorquindo a vitima, até que um parente abriu os olhos dela…!

Este caso aconteceu no bairro esplanada em Pouso Alegre, no sábado,17. Dona Maria recebeu a tradicional ligação de um desconhecido que dizia estar com sua filha. E como sempre, queria muito dinheiro para devolvê-la sã e salva.
Embora não dispusesse de dinheiro para este tipo de despesa extra, ao ouvir as chorumelas da suposta filha no celular, dona Maria pechinchou e pagou R$300.
Depois do primeiro deposito, o sequestrador, sentindo firmeza no negocio, ou fraqueza na vitima, pediu mais dinheiro! E dona Maria fez novo deposito, desta vez de R$450. Quem tem trezentos e depois consegue pagar mais quatrocentos, certamente consegue pagar mais um pouco… Foi o que pensou o sequestrador a centenas de quilômetros de Pouso Alegre, numa penitenciaria qualquer. Por isso ele fincou o pé que só soltaria a filha de dona Maria se ela pagasse mais R$400. E o cofrinho de porquinho virou cacos…! Tão logo recebeu o terceiro pagamento, o salafrário, dando risadas baixinho, pediu mais R$500! E não parou por aí.
Antes de fazer o quinto deposito, já tendo quebrado todos os porquinhos da casa, dona Maria pediu ajuda a familiares… E finalmente a ficha caiu! A filha nunca estivera sequestrada.
A essa altura, o falso sequestrador já havia levado R$1.650 reais de dona Maria!
Isso poderia ter sido evitado…
Quando ouviu o primeiro pedido de resgate e a ameaça para não desligar o telefone, bastava dona Maria dizer:
– Espere um minuto senhor sequestrador. O susto que você me deu foi tão grande que minha pressão foi às nuvens… Só vou tomar meu Atenelol e já volto para resgatar minha filha!
Ao invés do remedinho para pressão, era só ir à casa da vizinha, pedir o seu celular e ligar para a filha! E descobrir que ela estava ‘diboinha’ no seu trabalho, na sua escola, no motel, enfim: gozando plena liberdade. Depois era só mandar o sequestrador pé-de-chinelo sequestrar a senhora mãezinha dele, desejar-lhe boa tarde, desligar o celular e deixá-lo só com o cabo do guarda chuva na mão!

Cachorrada em Cambui

Estudante comprou cachorro de raça, pela internet, por R$2,7 mil… e ficou só com a coleira na mão!

Semana passada a jovem estudante M.M.O., 22, moradora de Cambui, encontrou o cachorro dos seus sonhos… Um “Spitz Alemão”! e resolveu compra-lo. O preço do latildo: R$2.712,00! Mas isso não é problema quando se quer um bichinho de estimação. O enrosco é que o cão é de um criadouro da cidade de Agudos-SP. E para garantir o negócio, a estudante teria que depositar um ‘sinal’ de R$500. Mesmo sem ouvir ao vivo e a cores o latido do Totó, ainda assim, na sexta-feira, 16, M.M. depositou o sinal.
Toda a negociação foi feita virtualmente, através de e-mails e celulares. Tão logo pagou os quinhentos reais de sinal… o cachorro parou de latir, quero, dizer: o vendedor não respondeu mais seus e-mails e nem suas chamadas!

No sábado, através de uma amiga, a jovem M.M. ficou sabendo que o endereço do canil na cidade de Agudos – cidade na qual se produz a melhor cerveja Brahma do Brasil -, não existe! E a estudante que pagou R$ 500 apenas de sinal para ter um fofinho Spitz Alemão, ficou só com a coleira na mão…
Que cachorrada!!!

Sequestro em Cambui

Mae desesperada paga mil reais pelo resgate da filha. O dinheiro foi sacado numa agencia na Baixada Fluminense… Só que a filha nunca foi sequestrada!

O golpe do falso sequestro é quase tão velho quantos essas cédulas… Mas tem gente que ainda cai!

O telefonema que fez dona Maria arrancar os cabelos foi recebido no início da tarde desta quarta-feira na cidade de Cambui, a 54 quilômetros de Pouso Alegre e 140 de São Paulo. Ao dizer ‘alô’, pois não, a dona de casa ouviu uma voz tenebrosa que dizia…
– Acabamos de sequestrar sua filha… Se quiser ver a cara dela de novo, você vai ter que pagar dez mil reais de resgate. Anote aí o numero da conta. E não desligue o telefone!!!
Antes que dona Maria emparelhasse ‘tico & teco’ e processasse o que acabara de ouvir, do fundo do telefone veio uma voz feminina em prantos…
– Mãe, pelo amor de Deus, eles vão me matar, mãe!
Ao ouvir a voz afogada em prantos, dona Maria só pensou numa coisa: não tinha R$10 mil para pagar o resgate!
Mas o sequestrador era muito bonzinho! Aliás, deve ser turco, ou daquela região ali do Oriente Médio, que aceita pechincha e faz qualquer abatimento para não perder o negócio. Por isso acabou deixando o pagamento do resgate por R$ 1 mil.
O deposito foi feito numa casa lotérica da cidade de Cambui, pelo filho de dona Maria. Pago o resgate, dona Maria desligou o celular e ligou para a filha… E descobriu que ela estava bela e formosa, feliz contente cuidando da vida em plena liberdade.
Com os olhos faiscando de raiva do vigarista, dona Maria mandou o filho de volta ao banco para desfazer o deposito! Mas já era tarde. Os mil reais haviam sido sacados numa agencia de São João do Meriti, na Baixada Fluminense!
Como policial e jornalista, contando casos como esse aqui no blog e na Super Radio 90.9 FM quase toda semana, eu poderia dar mil dicas de como evitar que as pessoas caiam nesse golpe. Pois bem, vou dar uma dica bem contundente, que qualquer pessoa pode argumentar com o suposto sequestrador que ele vai acreditar numa boa…
– Quando você receber uma ligação dessas no seu celular, diga ao sequestrador que você está com tanto medo que teve uma súbita dor de barriga, e que precisa ir correndo ao banheiro! E peça para o sequestrador retornar a ligação dentro de dois ou três minutos! Neste interim, ligue para sua filha… e irá descobrir que ela está bela e formosa cuidando da sua rotina, em plena liberdade!
E se por acaso o sequestrador voltar a ligar pra voce, pergunte qual das filhas ele sequestrou, pois você tem 17 filhas espalhadas brasil afora! Ou então diga que ele se enganou, pois você não tem filhos! Mas se estiver sem tempo para gastar os créditos do vigarista, pergunte simplesmente, curto e grosso:
-Sr. Sequestrador, você já catou coquinhos hoje…!

Preso no Forum

Em pleno século XXI, tem gente que acha que errado é o jornalista que divulga o crime… e não a pessoa que o comete!
Essa é mais uma prisão ‘mamão com açucar’, daquelas que os policiais militares executam sem ter que molhar a farda, sem ter que correr atrás do meliante: dentro do Fórum, na presença do Homem da Capa Preta!


O fato pouco comum aconteceu no final da tarde desta terça, 06, no Forum Orvietto Butti em Pouso Alegre. No final da audiência criminal o MM. Juiz Dr. Carlos Cesar de Chechi e Franco Pinto chamou a policia militar e disse:
– Prenda esse homem!
O homem é BRUNO PEREIRA DE SIQUEIRA, 27. Ele chegou ao Fórum livre, leve e solto, mas saiu de lá com pulseiras de prata, no taxi do contribuinte direto para o Hotel do Juquinha.
Bruno Pereira havia sido preso pela PM no dia 18 de janeiro deste ano, no bairro Foch. Na ocasião os policiais encontraram em sua algibeira, e depois em sua casa, pequenos tabletes de maconha, balança de precisão, semente de erva ‘marvada’ e até um pé de cannabis sendo cultivado num balde. BRUNO e o amigo WELLINGTON, preso na mesma situação, disseram aos policiais que são apenas usuários. Familiares e amigos também acreditam nisso. Mas o homem da capa preta não acreditou!
Bruno é primário, por isso, como autoriza a lei, o meritíssimo inicialmente relaxou sua prisão em flagrante e devolveu sua liberdade. No entanto, ao vislumbrar na conduta de Bruno o crime de tráfico de drogas, o juiz decretou sua prisão. Quando Bruno chegou para a audiência no Fórum, na tarde desta terça-feira, já estava com o destino traçado.
A conduta que gerou a prisão de Bruno Pereira de Siqueira foi publicada aqui no Blog no dia 19 de janeiro de 2017 com o titulo: “PM prende maconheiros no Foch”. Muito provavelmente, como aconteceu na postagem anterior, este colunista será novamente censurado por publicar, com seu estilo peculiar, pura e simplesmente o fato, ou seja: a prisão do moço a mando do Homem da Capa Preta.

Assaltantes levam R$ 6 mil do Serra Sul

O roubo aconteceu nesta terça-feira,06, no bairro Belo Horizonte

Esse aconteceu mais cedo, às 13:00h. Estava a funcionaria M.R.A. quieta no caixa do Supermercado Serra Sul, no bairro Belo Horizonte quando os assaltantes chegaram. Saltaram da moto vermelha de porte pequeno, entraram como se clientes fossem, um deles sacou o trabuco, e foi logo dando ordens:
– Abra logo esse caixa e passa todo o dinheiro, senão…!
O caixa do mercadinho estava, inadvertidamente, recheado…, continha R$6.613.50. Além do dim-dim da micro empresa, os assaltantes levaram também o Samsung J7 Prime da funcionaria. E desceram a Altidouro Rios em direção à BR 459.
Os dois assaltos aos supermercados no espaço de pouco mais de uma hora, entraram imediatamente na ‘agenda de prioridades’ da polícia militar. Os homens da lei passaram o resto da tarde tentando, mas não conseguiram achar os rastros dos quatro assaltantes motoqueiros.
Ou seriam os mesmos dois?

Bruno escorrega na farinha em Congonhal

Ele estava trazendo a droga de Poços de Caldas

Bruno Rodrigues da Silva, 25, costuma viver perigosamente! Ele já teve seu carro metralhado por rivais na porta de sua casa no velo Aterrado; já andou testando trabuco na Dique II; já foi investigado por trafico de drogas no interior do Hotel do Juquinha; já dispensou drogas no Caiçara para fugir dos homens da lei…
A última façanha do Bruno aconteceu ao pé da noite desta segunda-feira na Vila Marlene, na vizinha Congonhal. A prisão foi por acaso. Passavam os homens da lei pela via rural de acesso ao Bairro São Domingos, quando avistaram uma moto Honda Falcon passar por ali e resolveram abordar seu condutor. Ao perceber a aproximação dos homens da lei, o motoqueiro, que levava uma encomenda explosiva na guaiaca, acelerou e tentou dobrar a serra… de São Domingos! Vendo que não conseguiria driblar os policiais, como fizera em 2015 no birro São Fernando, o piloto resolveu dispensar a prova do crime. Cercado, o piloto abandonou a moto, pulou uma cerca de arame e tentou atravessar o Rio Cervo à nado! Não deu. Tropeçou nas malhas da lei e caiu nos braços do policiais!
A prova do crime dispensada durante a fuga eram dois tabletes de pasta base de cocaína do tipo ‘escama de peixe’.
– Paguei R$20 mil pela farinha em Poços de Caldas. Eu ia faturar cerca de R$ 50 mil com a droga… – contou Bruno, de cara emburrada.
Depois da prisão em Congonhal, outra equipe de policiais foi visitar o mocó de Bruno, na rua Jose Antônio Mariosa, em Pouso Alegre. Lá encontraram centenas de cápsulas – vazias – para farinha do capeta. Se Bruno tivesse conseguido passar pela blitz em Congonhal com a droga de Poços de Caldas, ele teria abastecido suas cápsulas e distribuído centenas de barangas na Baixada do Mandu! Desta vez não deu!
Bruno Rodrigues da Silva, 25, sentou ao piano do paladino da lei na delegacia regional de Pouso Alegre, assinou o 33 e foi – mais uma vez – se hospedar no Hotel do Juquinha!

Cavucada 48

Não, não se trata de nenhum produto de beleza que promete deixar a cútis das quarentonas com maciez de bumbum de bebê, ou algo parecido, não…!
Quarenta e oito é o número de velinhas que o nosso amigo Alexandre Reis Assunção, o popular “Cavucada” soprou no último domingo, 28 de maio! 48 anos bem vividos, com muita inocência, muita paz, muita amizade, e muita sabedoria.

Aos 48 anos Cavucada parece um menino! E é um menino! Não tem mais do que dez anos de idade, embora o conheçamos há mais de trinta anos sempre com aquele sorriso e a mansidão de um monge tibetano.
Cavucada estava deitado no sofá de sua casa no Belo Horizonte quando parei o carro defronte sua casa no meio da tarde desta quarta, 31. Através da porta aberta ele me viu, e mesmo que eu não estivesse indo especificamente visita-lo e levar-lhe uma lembrancinha pelo seu aniversário, eu teria que parar para dar-lhe um abraço. Tão logo me viu, ainda no interior da sala, ele foi logo chamando meu nome e perguntando dos meninos…
– He Chips, vamos chegar… Cadê o Diego, o Marcelo…?
Assim é o nosso amigo Cavucada… Ele não esquece as pessoas que lhe querem bem.
Pena que ele tem se tornado mais caseiro… Cada vez o vemos menos pelas ruas da cidade. Embora o portão agora com grades estivesse aberto, Cavucada passa os dias em casa, esperando a irmã e o irmão que trabalham o dia inteiro. Só à noite quando eles chegam, ele sai para dar uma voltinha na rua. Está feliz com a nova pintura que a irmã mandou fazer na casa. Fala nela o tempo todo;
– A casa ficou mais nova, ficou bonita né, Chips!
Apesar da mudança de hábitos nos últimos anos, Cavucada continua distribuindo sorrisos a quem o visita, e abordando qualquer assunto do momento, especialmente a performance do seu Palmeiras… Que vai ser campeão de novo!
Esse é Cavucada, ‘menino que vi crescer’, mas que permanece na mais doce infância! Menino de coração puro; menino que, sem fazer força, deixa um rastro de alegria por onde passa.
Feliz aniversario Cavucada!

* Leia mais sobre o Cavucada aqui no blog…

Monte Azul, um loteamento iluminado por pirilampos…

… Mas eles só circulam por lá entre maio e agosto, na época do acasalamento!

Pouso Alegre da minha infância… quanta saudade!
Éramos magros 40 mil moradores. Conhecíamos todos os bigodudos da nossa rua e eles sabiam quem era o pai de cada moleque que roubava jabuticaba no seu quintal no mês de outubro!
Podíamos andar sozinhos pelas ruas sem medo de ficar sem nossas bolinhas de gude, nossos peões ou nossas figurinhas de bate-bafo, as diversões da época.
A segurança era implícita… vinha da moral e dos bons costumes! Além do mais, vivíamos sob a égide do regime militar! e militar – de farda marrom ou verde – era respeitado! Naquela época, políticos eram ‘apenas’ representantes do povo…

De dia, quase um paraíso!

Portal Solar das Ametistas
Como os tempos mudaram! Como as coisas mudaram. Como a cidade mudou!
Fazendas viraram cidade; pastos viraram avenidas; trilhos viraram ruas; vagalumes viraram lâmpadas de Led da Cemig…!
Mas nem tudo mudou.
Alguns loteamentos da cidade ainda não passam de traçados de ruas. Apesar de os lotes terem sido vendidos, e casas construídas, a infraestrutura necessária ainda não bateu à porta dos moradores!

De noite , até assombração tem medo de passar por aqui!


É o caso de algumas ruas do loteamento Monte Azul, no velho Faisqueira! Ali, a iluminação pública ainda depende dos pirilampos…! Só que tem um problema: os românticos e divertidos insetinhos voadores só acendem suas lanterninhas frias na época do acasalamento, entre maio e agosto!
Preocupados com animais peçonhentos, e usuários de drogas que aproveitam a penumbra para circular – e permanecer – no local Moradores que voltam do trabalho ou da escola à noite, tem que convocar todos os anjos de plantão para chegar em casa em segurança… com o coração na mão!
Moradores reclamam das autoridades a falta de luz artificial, mas ouvem que ela ainda não chegou porque as ruas não têm casas!
!?!?!?
Enquanto isso, será que alguém pode mandar uma nuvem de vagalumes – taradinhos – para iluminar o loteamento Monte Azul?

Gaeco ‘quebra falange’ do crime organizado em Monte Sião

Um casal de membros da famigerada ‘facção’ foi preso na manhã desta quarta com arma, drogas e mais de vinte mil reais em dinheiro em cheques!


A operação que prendeu o casal de traficantes em Monte Sião e Aguas de Lindoia na manha desta quarta-feira, 24, foi batizada pelo Gaeco, não por acaso, de ‘Operação Divisa’. Para chegar ao casal, a investigação dos policiais civis, militares e federais, chefiada pelo ministério público estadual de Minas, precisou de cerca de quatro meses. Os mandados foram cumpridos em três endereços no circuito das Aguas paulista e na ‘capital da malhas’, mineira. O investigado Carlos Tulio Gropelo, o “Boy”, recebeu os homens da lei em seu sitio no município de Aguas de Lindoia. No café da manhã ele ‘serviu’ aos policiais oito quilos de maconha, um quilo de pasta base de cocaína, um trabuco calibre 45, varias munições de calibres 12, 7,65 e 22, uma balança de precisão e farto material para embalagem de drogas! No distrito de Mococa, a 10 quilômetros de Monte Sião e oitenta de Pouso Alegre, na sua ‘residência de verão’, os policiais prenderam sua amásia Vitoria Nicoli Martins Carneiro,19. Ela mantinha em casa diversos relógios de procedência duvidosa, vários celulares, R$ 5 mil em ‘cash’ e quase dezessete mil reais em cheques provenientes do trafico.
A investigação do Gaeco apurou também, e comprovou com a apreensão de papeis, cadernetas e anotações, que “Boy” é useiro e vezeiro em buscar grandes quantidades de drogas na capital paulista, com a qual abastecia seus ‘empregados’ na fronteira mais charmosa do estado de Minas com São Paulo. Enquanto ele fazia o ‘corre’ na região, a jovem companheira Vitoria fazia a guarda da droga no sitio em Aguas de Lindoia.
A investigação mostrou ainda que, no distrito de Mococa, Tulio “Boy” era um ilustre desconhecido. No entanto, do outro lado da fronteira, onde comandava uma célula da facção criminosa e distribuía cerca de dez quilos de farinha do capeta por mês além de outras atribuições como autorizar e determinar o cometimento de outros crimes, ele tinha até guarda-costas!
O casal vinte da fronteira vai responder por tráfico de drogas e associação para o tráfico na Comarca de Serra Negra, a vinte quilômetros de Aguas de Lindoia.
A famigerada facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios país afora, e que atende pelas iniciais de ‘PCC”, cujo nome a grande imprensa convencionou não mencionar, para não dar destaque e publicidade aos criminosos, não pode ser ignorada! Ela existe há pouco mais de dez anos; possui estrutura organizada; tem poder entre os criminosos; é mais eficiente do que muitas instituições legais; e está enraizada nos quatro cantos do país. Hoje em dia, raramente alguém passa pela cadeia sem ser cooptado pela facção. Seus membros não ousam infringir suas regras. E se o fazem, são sumariamente julgados, condenados e executados! O PCC é uma instituição do mal… mas, infelizmente, existe!
A prisão de um dos seus membros – de relevante estrutura e importância, – na divisa mais bela dos estados de Minas/São Paulo nesta quarta-feira, não chega a ser a quebra de um braço, nem mesmo de uma falange, mas mostra que, como toda organização, ela também tem seu ponto fraco e, portanto, pode ser desarticulada como tudo que trás prejuízo à sociedade. Os componentes do ‘Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado’ – GAECO, tem provado que, embora não seja fácil, é possível!

Tentativa de homicídio na escola

Aluno de 15 anos tenta matar o professor que havia confiscado seu celular. Ao intervir, diretora é esfaqueada.

O sinistro aconteceu ao pé da manhã desta quarta-feira no interior da Escola Municipal Clarice Toledo no bairro São Cristóvão, em Pouso Alegre. Ao chegar paras as aulas desta manhã, o aluno J.F.S. 15 anos, abordou o professor sacou uma faca da cintura e ameaçou mata-lo. Quando tentava intervir no crime, a diretora se tornou o alvo. Ao ouvir as reprimendas da diretora, o estudante virou-se contra ela, jogou-a ao chão e tentou esfaqueá-la. Com a intervenção dos demais funcionários, o estudante desistiu do intento e se trancou no banheiro com a namorada, até que a supervisora conseguiu convencê-lo a entregar a faca.
O motivo do crime, no entanto, tem origem na tentativa de o professor impor a disciplina dentro da sala de aula. Ontem, ele teria apreendido o celular do garoto que insistia em usá-lo durante as aulas e entregue à direção da escola.
Ao ser preso pela polícia militar tão logo saiu do banheiro, o estudante deu sua versão dos fatos.
– O professor pegou meu celular e entregou na diretoria. Isso me deixou muito irritado. A diretora não quis me devolver. Ela está a fim de me ferrar. Eu queria matar ele e ela… – confessou o adolescente. E disse também aos policiais, que é usuário de drogas.
Na tentativa de defender-se dos golpes de faca desferidos pelo aluno, Maria Helena, diretora da escola, sofreu várias lesões nas mãos e braços. Ela foi levada para o Pronto Socorro do Hospital Regional de Samuel Libânio e passa bem. Segundo ela, J.F.S. estuda na escola há 08 anos. Nos últimos quatro anos, no entanto, ele vem ‘dando problemas’ bem como alteração no comportamento devido ao uso de drogas. Ainda segundo a diretora, há vários relatos de outros alunos e pais de alunos sobre o envolvimento do estudante com o tráfico de drogas na escola. A própria, inclusive, já teria presenciado o menor recebendo drogas nas dependências da escola.
Com a chegada da polícia, o delinquente passou sebo nas canelas e tentou dobrar a serra do cajuru, mas ‘tropeçou’ e caiu nas malhas da lei ainda nas dependências da escola, onde recebeu as pulseiras de prata e desceu no taxi do contribuinte para a DP.
Se o pequeno nóia e aviãozinho J.F.S. ficará custodiado ou não, vai depender do Juizado da Infância e da Juventude, como manda o Sr. ECA.