Roubo de celular no Jatobá

O crime aconteceu às nove e meia da noite no ponto de ônibus.

Ao chegar ao ponto onde pegaria o coletivo para o trabalho, a industriaria V.A.R.S. sacou o celular da bolsa para verificar as horas… Neste momento surgiu um guampudo jovem, entre 17 e 19 anos, usando uniforme de mano. Ele não precisava saber as horas, pois certamente não iria trabalhar, mas precisava do celular da industriária, para talvez, trocar por três ou quatro pedras! Por isso o sujeito soturno com o rosto coberto pela blusa, sacou da cintura um trabuco, apontou para a jovem e repetiu o ‘mantra’ dos manos:
– Perdeu, perdeu Maria… Passa o celular!
Apesar do risco que corria diante da arma do assaltante, Viviane segurou firme o celular e se recusou a entrega-lo ao bandido! E se deu mal… Primeiro o meliante deu um tiro de advertência bem perto dos seus ouvidos! Depois bateu com o trabuco na sua cabeça! E levou o Samsung J7 da senhora trabalhadeira!
Nesta segunda V.A.R.S. não foi trabalhar… Ela precisou ir para o pronto socorro do Hospital Regional…!

Tentativa de estupro no gabinete do prefeito

O alcaide teria aproveitado a presença da senhora que fora à prefeitura fazer o cadastramento no programa “Minha casa, minha vida” para leva-la ao seu gabinete e agarrá-la à força!

O esdrúxulo caso aconteceu na pequena Heliodora, cidade das cachoeiras, a 54 quilômetros de Pouso Alegre. Segundo D.T.C. 29, ela foi levada para o gabinete e agarrada à força pelo prefeito municipal Alex Leopoldino de Lima. No BO que registrou na polícia militar, a senhora contou que havia ido à prefeitura fazer o cadastramento no programa “Minha casa, minha vida”, e na saída foi abordada pelo prefeito que, a pretexto de falar sobre o tratamento médico de um parente, levou-a para o seu gabinete onde o crime aconteceu.
– Quando entramos ele fechou a porta, sentou na beira da mesa, começou a dizer coisas obscenas, pegou meu braço, me empurrou contra a parede e tentou me beijar na boca à força – contou ela aos policiais.
Sem conseguir o intento, o prefeito teria mordido seu pescoço enquanto tentava bolinar seus seios. Ainda segundo a vitima, o prefeito só interrompeu sua investida quando ela pegou na maçaneta da porta e ameaçou gritar!
D.T.C. conta que saiu da prefeitura totalmente transtornada e foi direto para a casa onde trabalha sua sogra e contou-lhe o fato. Posteriormente contou também ao marido e demais familiares.
O fato aconteceu no meio da tarde do dia 25 de abril, mas chegou ao conhecimento da polícia no dia 29.
– Eu fiquei com muito medo de não acreditarem em mim. Mas hoje à tarde o prefeito foi ao meu local de trabalho e depois à minha casa. Felizmente eu não estava lá. Depois ele procurou meu sogro no local de trabalho dele para dizer que eu estava mentindo, sem ele ter dito nada… Só então criei coragem para procurar a policia – contou D.T.C., acompanhada de dois advogados de Pouso Alegre.
E contou mais. Disse que trabalha no caixa de um estabelecimento comercial na cidade e sempre que vai ao local, o aludido prefeito lhe “faz propostas de cunho sexual”!
Com a redação da Lei 12.015/2009 dada aos Crimes Contra a Dignidade Sexual, o crime do prefeito de Heliodora, ainda que não tenha passado do campo do “ato libidinoso”, em tese, se enquadra no artigo 213 do CP: Estupro.
“Art. 213. Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique ‘outro’ ato libidinoso: Pena: Reclusão de 6 (seis) a 10 (dez) anos”.
Como tem ‘foro privilegiado’, Alex Leopoldino de Lima, de tradicional e respeitada família de comerciantes residente no bairro São Geraldo em Pouso Alegre, depende de autorização da Câmara municipal de Heliodora para ser processado. Caso venha a ser processado e condenado, o que era para ser “minha casa, minha vida” para D.T.C., poderá ser tornar “minha casa, minha, prisão” para o prefeito de Heliodora.

Roubaram o carro do fã de Sergio Moro em Pouso Alegre

O gatuno precisou de menos de cinco minutos para furtar o Voyage importado da argentina, com foto e nome do carrasco dos políticos corruptos!

Meliantes confirmam: “trabalhar nos fins de semana é para os fracos… Meliante que se preza trabalha de segunda a sexta-feira e descansa nos de finais de semana”!
Essa máxima, irônica e jocosa, criada por este colunista vem se confirmando. Mais uma vez a criminalidade em Pouso Alegre e microrregião teve números pífios no primeiro final de semana de maio! Enquanto de segunda a sexta-feira Pouso Alegre registrou 40 furtos e 06 roubos, sábado e domingo registrou-se apenas 08 (oito) furtos – um deles cometido pela famosa dupla de nóias Wander Luiz & Gislene – todos pés-de-couve, e nenhum roubo.
O furto mais expressivo do primeiro final de semana de maio, aconteceu no meio da tarde de domingo,07, na rua Mons. Dutra, no centro da cidade. O gatuno sorrateiro certamente estava na moita esperando o vacilo da vitima, pois precisou de poucos segundos para levar o carro.
Kleber Junho contou à policia que estacionou seu Voyage azul defronte o número 120 e foi ao bar, na esquina. Quando voltou ao local, seu possante já havia ido embora nos braços de outro! Segundo Kleber, seu Voyage azul 4 portas, placas BFP-9139, ano 1992 é único na cidade…
– É um modelo argentino, importado da terra do Maradona… apesar de velhinho está bem conservado e tem rodas orbitais – contou ele aos policiais.
Ainda segundo o comerciante, seu carro tem um adesivo no vidro traseiro com a foto e nome do herói nacional “Sergio Moro”!
Este colunista sugere que, caso o ladrão do Voyage azul do fã do Sergio Moro seja preso, ele deverá ser julgado pelo guardião da Lava Jato, em Curitiba. Assim, além de a sentença sair rápido, será muito mais severa!

A propósito, tão logo a semana começou os meliante foram à ‘luta’. Até o momento desta publicação – três da tarde, – já aconteceram quatro furtos na cidade. O primeiro foi bem cedinho, no Foch. Dona Elisangela Alves estava saindo de casa para o trabalho, às cinco e meia da manhã, quando dois guampudos madrugadores apareceram, fizeram cara feia e ‘pediram’ – e levaram – sua bolsa com tudo dentro!

Wander Luiz & Gislene atacam de novo

Desta vez o ‘casal 20 da Internet’ furtou a bolsa de uma idosa na porta de sua casa! O crime aconteceu ao meio dia deste domingo,07, no bairro N.S. Aparecida em Pouso Alegre.

O “casal 20” aprontou de novo, mas ainda não caiu!


Nas primeiras semanas do ano, Wander Luiz Oliveira dos Santos e Gislene da Silva, segundo populares, foram vistos batendo de porta em porta nas residências de vários bairros da cidade, pedindo dinheiro para comprar, ora comida, ora remédio para seus filhos… De madrugada! O fato viralizou nas redes sociais. Isso fez do casal “Wander Luiz & Gislene”, o “casal 20 da internet”
Quando atendeu o casal de pedintes com cara de ‘pelamordedeus’ na porta de sua casa, dona Antonia, 65, ainda não sabia que estava diante do famoso “Casal 20”. Sem saber o perigo que corria, dona Antonia baixou a guarda. Aproveitando o vacilo, a gatuna passou a mão pesada na bolsa da idosa e passou sebo nas canelas.
Tão logo viu o casal pelas costas, dona Antonia botou a boca no trombone pedindo ajuda dos vizinhos, e saíram na sombra do casal de gatunos. Três quarteirões depois, ao perceber que seriam detidos por populares e entregues aos homens da lei, o casal dispensou a res furtiva, não sem antes retirar uma cédula de 50 da guaiaca da idosa.
Apesar do ‘estrelato’ nas redes sociais nas primeiras semanas do ano, quando aterrorizou moradores de vários pontos da cidade com suas aparições noturnas e soturnas, este é primeiro BO de Wander Luiz e Gislene que chega ao conhecimento da policia. O casal 20 não sentiu o frio das pulseiras de prata, mas a batata está assando…!

O assassinato da prostituta

A policia apurou o crime e apontou o assassino… Mas ele continua em liberdade!

Eram onze e meia da manhã daquele domingo, 28 de setembro, quando o camareiro bateu à porta do quarto da pensão da Rua Bom Jesus, no centro de Pouso Alegre. Era hora de fazer o check- out. Na verdade era só desocupar o quarto, pois o hospede que levantara do ninho às cinco e meia da manhã já havia pago a diária. Depois de bater três vezes, o camareiro chamou pela hospede. Como o quarto continuava mudo, ele girou a maçaneta e enfiou os olhos no quarto. O que viu foi assustador! A hospede estava deitada de costas, com a cabeça ligeiramente pendida para fora da cama, completamente inerte! O filete de sangue escuro que escorrera do nariz contrastava com a palidez do seu rosto branco, maltratado por anos e anos de drogas. Estava completamente nua … completamente morta!
A mulher que aparentava cinquenta anos, não tinha mais do que 32. E não portava nenhum documento. Os policiais que primeiro chegaram ao tétrico local, disseram que ela parecia com a “Rubia”, figurinha fácil no álbum da policia por furtos, uso de drogas e tudo o mais que fosse necessário para satisfazer o vício. Inclusive vender o surrado corpo.
A perita criminal que fez os primeiros levantamentos, não encontrou sinais aparentes de violência no corpo. Mas encontrou duas ‘marikas’ no quarto. E sugeriu que a morte se dera por overdose de drogas. O corpo só foi reconhecido pelos familiares no final do dia, no IML.
O exame de necropsia feito na segunda feira de manhã, encontrou um mar de hematomas debaixo do couro cabeludo. E concluiu: Rubia Mara, a prostituta da pensão da Bom Jesus, fora espancada na cabeça, até a morte.
As informações prestadas pelo camareiro à polícia militar, não ajudaram a esclarecer o crime. Ao contrário, confundia. Segundo ele, Rubia chegara à pensão por volta de dez e meia da noite no sábado, com um acompanhante. Às cinco e meia da manhã o acompanhante foi embora. Quando já estava na rua, Rubia teria saído à janela para despedir-se dele, e voltara para os braços de Morfeu.
No final da tarde de segunda feira, fui à Baixada do Mandu. Curiosamente meu Corola com placas do Rio de Janeiro me levou pela “Diquinha”, point de usuários se drogas e de ‘programinhas sexuais de dez reais’…
Quando passava pelo ‘balão’ da Diquinha, notei um grupo de nóias e mariposas sentados na beira da guia. Parei maquinalmente meu carro no meio da rua. Antes que eu desse ré, uma das mariposas se desgarrou do grupo e veio em minha direção. Veio sorrindo, talvez pensando: “ Oba, fisguei um coroa carioca”! Ao chegar perto e se inclinar apoiando na janela do Corola e reconhecer-me, seu sorriso se apagou. Viu que não era ‘cliente’… E fez cara de gato surpreendido comendo toucinho.
Vendo seu constrangimento joguei o verde… E na hora colhi o maduro…!
– Sua amiga morta a pancadas sendo velada la na funerária e vocês aqui fazendo festa…! – censurei eu.
Fechando ainda mais a cara, meio titubeante, a jovem sujinha e desmilinguida desfiou…
– Pois é, nós bem que falamos para ela não ficar com o cara… Ele disse que ia matar ela. – disse a mariposa.
– …E porque? – eu emendei.
– Ela tinha roubado ele! Da outra vez que ela ficou com ele, ela deu o tomé nele… No sábado ele procurou ela de novo. Nós falamos pra ela não ir com ele de novo que ele ia matar ela… – disse a mariposa desviando o olhar do meu.
Em menos de um minuto ali na beira do rio Mandu, com o carro ligado, eu descobri metade do assassinato. Voltei à delegacia e passei o que sabia ao delegado de homicídios. Os pupilos do delegado Gavião descobriram o resto.
O assassino de Rubia Mara era um motorista de caminhão. Ele havia deixado uma carga do Serra Sul Shopping, e, enquanto descansava resolveu matar a saudade da mariposa que havia tomado seu dim-dim no programa anterior. Depois de transar com ela na pensão da Bom Jesus, e matar a saudade da dona… Ele matou também a dona saudade!
Esclarecido o assassinato, o delegado de homicídios pediu a prisão preventiva do assassino.
É só apresentar a ele então as pulseiras de prata?
Não! Não é tão simples assim!
É que o motorista assassino mora do Estado do Espírito Santo. A policia não tem recursos para ir ao Espírito Santo prender o assassino…
Por isso, embora o assassinato da nóia prostituta tenha sido esclarecido em poucos dias, ele continua livre, leve e solto há quase três anos!

É aí que entra em cena aquela velha frase: “Quem tem dinheiro não vai pra cadeia”!
No caso de Rubia Mara a frase é parecida: “ Se a vitima fosse um ‘figurão'”, o assassino já estaria há muito atrás das grades”.
Mas Rubia Mara era apenas uma viciada em drogas! Uma nóis que vendia o próprio corpo para satisfazer o vicio! Por isso ninguém envida esforços para prender o assassino!
Infelizmente é verdade.

Mas afinal, de quem é a culpa?
Pode culpar quem você quiser, menos a policia!
Pois a policia fez a sua parte… Investigou e esclareceu o crime!
… E o assassino continua dirigindo seu caminhão por aí… Em liberdade!

Os roubos da sexta-feira

Assaltante ou cobrador?

Passava a funcionaria publica S.M.B.GP. pela Avenida Tiradentes a caminho do trabalho, na manhã desta sexta, 05, quando recebeu aquela ‘intimação’ de gelar a espinha:
– Isso é um assalto! Passa a carteira e o celular!
A senhora, no entanto, não acreditou que a sexta feira estava começando tão mal, e continuou andando. Até ouvir nova ameaça:
– Pare senão atiro!
Ainda assim ela não acreditou, e saiu correndo até entrar numa papelaria.
Como o movimento no local àquela hora era pequeno, o ousado assaltante correu atrás, e entrou na papelaria, e continuou exigindo o dim-dim. Ao ser questionado por um terceiro que apareceu em defesa da donzela indefesa, ele sacou um argumento bem original:
– Eu só estou cobrando uma dívida que ela me deve!
Mas acabou desistindo da cobrança!
E foi “cobrar” dívida em outro lugar…

Cobrador ou assaltante!

Minutos depois da frustrada tentativa de roubo na Tiradentes, o mesmo assaltante negro, de roupa colorida, – pra lá de chapado – fez nova tentativa de cobrança na Duque de Caxias. Ele se aproximou do cidadão W.R.S., perguntou as horas e quando viu o celular na mão do cidadão, disse que o aparelho era dele…:
– Esse celular é roubado. É meu. Nem paguei. Estou com nome sujo nas Casas Bahia. Mas se você me der R$ 50 pode ficar com ele… Mas se não der, vai levar um tiro!
Enquanto resolviam o impasse, os homens da lei que caçavam o “cobrador” da Avenida Tiradentes, chegaram!
Luciano Messias Caetano, 18 anos completados há menos de um mês, recebeu as pulseiras de prata e foi sentar-se ao piano do paladino da lei na DP.
Ah, a única arma que o assaltante cobrador ou cobrador assaltante possuía era… a língua!

O assaltante dos olhos azuis

E pra fechar a sexta de trabalho duro e começar o final de semana, pois ninguém é de ferro, dois assaltantes roubaram um deposito de agua e gás na Avenida Alberto de Barros Cobra. Eles chegaram numa moto escura e, como de praxe, um ficou lá fora com a motoca ligada, enquanto outro executava a tarefa. E foi fácil, pois na loja só havia uma jovem. E aí ele abusou… Depois de tomar o celular das mãos da secretaria e pegar a única cédula que havia no caixa – R$50 reais – ele obrigou a jovem a ficar de joelhos no banheiro e encostou o cano do trabuco na sua cabeça para fazer pressão! Mas não tinha mais o que levar, a não ser galões de agua! Depois de revirar também a bolsa da jovem e achar mais dez reais, o assaltante montou na garupa do ‘parça’ e dobraram juntos a serra do cajuru.
O roubo de sessenta reais, um celular e um aparelho do sistema de monitoramento de câmeras, pode custar à dupla 5 anos de cana!
Ah, o assaltante nervoso e violento, que usava capacete e touca ninja, é alto, magro, branco e tem lindos olhos azuis!

A ponte caiu!

Não. Não estou falando da Macaca de Campinas, que embora tenha poucas chances de vencer o Corinthians e levantar o caneco do paulistão 2017, está firme na Primeira Divisão do Brasileirão…

Estou falando da ponte pênsil, sobre o Rio Sapucaí no município de São Gonçalo do Sapucaí. Era, até ontem à noite, uma das pontes mais belas do Brasil. Embora nunca tenha saído do meio do mato, era quase tão charmosa quanto a ponte Hercílio Luz, que liga o continente à ilha de Florianópolis. A nossa ponte pênsil ‘sapucaína’ ligava o município de São Gonçalo do Sapucaí a Turvolandia e o resto do mundo do lado de cá! Foi construída no inicio do século XX. E foi construída por engano! Reza a lenda que as gigantescas barras pré-moldadas vieram da Europa, mas se destinavam a construção de uma ponte no município de São Gonçalo, então pertencente ao Estado da Guanabara, hoje Rio de Janeiro. São Gonçalo por São Gonçalo do Sapucaí… foi um pulinho! Pulinho aliás que ninguém sabe explicar como foi, pois até o Rio de Janeiro ou Santos veio de navio, mas de lá para São Gonçalo do Sapucaí, sem estradas e sem ‘jamantas’, é um mistério!
A ponte estava interditada para caminhões. Apesar da proibição expressa na cabeça da ponte, alguns caminhoneiros insistiam em cortar caminho por ali. Inclusive com carga de pedra! Na noite desta quinta-feira a tragédia se confirmou…! A ponte quebrou! O Caminhão Mercedes Bens amarelo não chegou a cair no rio Sapucaí, mas ficou pendurado! Vai dar um trabalho danado retira-lo de lá. Pior… os ‘turvolandenses’ que quiserem ir à São Gonçalo, comarca a qual pertencem e tem vida ativa, agora terão que atravessar o Rio Sapucaí de canoa… Ou à nado!
E nessa épica de vacas magras, sabe quando a ponte será consertada ou outra construída? Eu também não sei. Mas acho que só no próximo século, quando mandaram outra ponte por engano…!

O golpe do cobrador de impostos

Parecia pegadinha do programa Zorra Total. Ele chegou com o celular na orelha como se estivesse falando com o dono da loja e levou R$1600 para pagamento de impostos!

Passava pouco das onze da manhã desta quarta,03, quando o cidadão de meia idade, gordo, alto, barba rala e grisalha, entrou na loja de suplementos esportivos da Rua Adalberto Ferraz. Ele já chegou com o aparelho celular colado ao ouvido falando com uma pessoa e passou a conversa para o funcionário do caixa da loja. O diálogo foi mais ou menos assim:
– … Cheguei! Estou na loja da Adalberto Ferraz. Com quem eu falo aqui? Com a ‘Silvava’? Pois é, o valor do imposto das duas lojas soma R$ 1.800. Posso pegar o dinheiro com ela?
E sem descolar o aparelho da orelha, emendou para a funcionaria do caixa:
– Eu sou o Fernando, o ‘Duarte’, seu patrão pediu para você me entregar R$ 1.800 para quitar os impostos das duas lojas…
E voltando falar com o interlocutor no celular:
– E se a ‘Silvana’ não tiver os R$ 1.800, posso pegar o restante na loja da Com. Jose Garcia? Tá bom… Deixe eu ver quanto ela tem aqui no caixa. Tenho que dar entrada no pagamento antes do meio dia…
E novamente voltando-se para a balconista:
– Viu? Eu sou o fiscal de impostos, estou com seu patrão na linha. Ele disse para você me entregar o que tiver no caixa, rápido, pois se você não tiver o valor total do imposto, eu tenho que pegar o restante na outra loja…
Sem entender muito bem o que se passava, mas vendo que o ‘fiscal’ sabia tudo da rede de lojas de suplementos esportivos, Silvana pegou o dinheiro no caixa, e antes que ela contasse o ‘fiscal’ pegou da sua mão, e deixou rapidamente a loja.
Tão logo viu o tal fiscal de impostos pelas costas, ‘Silvana’ ligou para o patrão… e fez a triste descoberta! Ele disse que não conhecia nenhum fiscal com nome de Fernando e tampouco sabia sobre impostos atrasados e muito menos havia autorizado alguém pegar dinheiro na loja!!!
Quando a ficha da comerciante caiu, o tal fiscal de impostos já havia dobrado a serra do cajuru, levando na guaiaca R$1.600!
Embora pareça ‘pegadinha’, o golpe “ o patrão mandou pegar o dinheiro com você”, é bastante comum. Há pouco mais de um ano foi aplicado numa loja de 1,99 da Marechal Deodoro, a poucos quarteirões da loja do ‘Duarte’.

Populares tentam arrebatar preso da policia

Mas ele acabou assinando o 33…

Tudo começou com um assalto ao supermercado Center Box no bairro Arvore Grande, às oito da noite desta quarta-feira, 03. Dois assaltantes nervosos saltaram das garupas de Hondas, entraram no supermercado de arma em punho e tocaram o terror. Enquanto o guampudo armado cuidava do segurança, o outro fez a coleta nos caixas. Toda ação durou menos de um minuto. E o quarteto dobrou a serra do cajuru nas motocas, em direção à avenida Prefeito Olavo Gomes de Oliveira.

A polícia militar chegou rápido ao local e meia hora depois já estava na sombra de um suspeito do roubo na ‘baixada do Mandu’. Ao perceber a aproximação da viatura policial o guampudo levou a mão à cintura, como se quisesse proteger alguma coisa, passou sebo nas canelas e tentou dobrar a serra do cajuru até entrar numa residência. Para não perder o suspeito, os homens da lei entraram atrás! E atrás dos homens da lei entrou uma multidão de pessoas se dizendo amigos e parentes do suspeito… E tentaram evitar sua prisão!
Apesar da situação desfavorável, pois estavam em menor número, os policiais resistiram e detiveram o fujão! Para tal usaram uma granada de gás lacrimogêneo para dispersar a multidão.
O fujão era Lucas Pablo Moreira. O motivo da fuga dos homens da lei, como o diabo foge da cruz, não era o roubo ao supermercado Center Box… É que Lucas levava na algibeira 41 barangas de pedras bege fedorenta e uma de erva marvada!
A prisão do ‘formiguinha’ com a droga, deixou a situação ainda mais tensa. Somente com a chegada de reforço policial a poeira assentou.
Assentou na rua Jose Antônio Dantas, mas agitou novamente na porta do quartel da PM com os familiares tentando invadir o quartel para resgatar o preso!
Em meio à balburdia, o ‘formiguinha’ desfiou seu mais completo repertório de impropérios e ameaças.
– Vocês vão se ver comigo! Sou de São Paulo… Lá não deixamos barato, não… Vamos atrás dos policiais para o acerto de contas… – dizia o valentão nascido em Jundiaí.
E num ponto o meliante tem razão… Se a abordagem tivesse acontecido em São Paulo, dificilmente ele teria tido oportunidade de dizer tanta besteira!
Lucas Pablo Moreira, 22, sentou ao piano, assinou o 33 da Lei 11.343 e o 147 do CP. E subiu para o Hotel do Juquinha.
O roubo ao supermercado do Arvore Grande – que aliás vem se tornando rotina, foi para a prancheta da polícia civil…!

Pouso alegrense ganha R$100 mil na promoção “do” vivo

Ela só precisou fazer algumas transferências para a conta do vivo!

A boa noticia para “Maria” chegou no final da manhã desta quarta feira, 03, através do seu celular;
– Voce foi sorteada na ‘promoção da Vivo’. Voce acaba de ganhar R$100 mil. É só indicar seu banco e sua conta, que dentro de dez minutos você receberá seu prêmio – dizia a voz de locutor do outro lado de uma linha.
Simples assim, a enfermeira nem pensou duas vezes, forneceu conta e banco, e minutos depois consultou seu saldo… O deposito no valor de cem mil já havia sido feito!
Agora só faltava Maria fazer uma “transferência de valores” para custas do processo, impostos, etc…, para liberar o deposito do cem mil!
E Maria fez a transferência, aliás fez varias transferências…! A primeira foi no valor de R$640,01. Tão logo o dinheiro entrou na conta do “vivo”, surgiu a necessidade de mais “transferências de valores”.
A segunda transferência foi mais salgada: R$2 mil. E, pasmem! Surgiu a necessidade de mais uma transferência. Desta vez os ‘impostos’ eram de R$5 mil!
E não parou por aí… Maria ainda fez mais cinco depósitos na conta do ‘vivo’! Aliás, na conta de vários ‘vivos’. – Fico cá com meus botões imaginando um celular passando de mãos em mãos numa cela qualquer de uma penitenciaria do Ceará ou Rio Grande do Norte e os presos tentando conter o riso enquanto tomavam o suado dinheirinho de dona ‘Maria’!
Depois do oitavo deposito nas contas dos ‘vivos’, totalizando R$ 11.140,01 (onze mil, cento e quarenta reais e um centavo), a técnica de enfermagem moradora do jardim Yara em Pouso Alegre, finalmente começou duvidar da ‘sorte’. Na última ligação que recebeu ela ‘se queimou’ e disse:
– Olha, eu não quero mais esse prêmio, não. Pode cancelar o deposito de cem mil e devolver tudo que eu transferi pra vocês!
Naturalmente já era tarde. ‘Maria’ foi mais uma vítima das fabulosas promoções virtuais. E bateu o recorde! É a primeira vítima, que se tem noticia oficial, em Pouso Alegre, que demorou tanto para ‘cair a ficha’!
Ah, para ganhar a confiança da Maria, o vigarista fez, de fato, um deposito de cem mil reais na conta dela. Quando ela consultou seu saldo, antes de fazer as transferências, o deposito estava lá… Mas o deposito foi em cheque!
Mate…!

*… e teve mais estelionato na praça nesta quarta feira!