Meliantes voltam do recesso…

… E até uma empregada domestica entra em cena e furta a patroa!

Depois do assalto atrapalhado na porta do banco Itau, onde o assaltante teve que atirar na comerciante para tomar sua bolsa, os meliantes de plantão resolveram tirar folga. Mas o recesso durou só um dia! Na terça-feira eles já colocaram as manguinhas – as faquinhas e os trabuquinhos – de fora! Foram 22 furtos e 4 roubos em Pouso Alegre desde então.
Teve roubo a mercearia, teve roubo a caminhoneiro na Fernão Dias, teve roubo a transeunte. Num deles o assaltante levou a fortuna de R$10 e acabou sendo preso! Teve furto de moto, furto de carro, furto de celular, furto à residência, furto em fábrica de cadeados e até um furto de dinheiro e cordão de ouro do armário de um técnico de enfermagem dentro do hospital regional Samuel Libânio!
O caso mais interessante, no entanto, ainda que insignificante, foi o furto ‘domestico’, cometido por uma empregada no bairro Santa Rita, no final da manhã desta terça, 16. O furto foi percebido pela patroa quando ela chegou ao banco para fazer o deposito e o envelope com o dim-dim não estava mais na sua bolsa! A empresaria, que antes havia deixado o dinheiro dentro de um envelope, dentro da sua bolsa, dentro do carro aberto dentro da garage por apenas alguns minutos, onde só havia a empregada, voltou para casa e chamou a empregada na chincha! Pressionada pela patroa, Elenise Satiro admitiu o ‘deslise’!
– Desculpe patroa, eu não sei o que deu na minha cabeça. Fui eu mesmo que pegou o dinheiro. Ele está escondido na lavanderia – confessou a empregada com cara de pelamordedeus!
A prova do crime, ou seja, o envelope que continha os R$322, Elenise disse ter queimado na pia, para sumir com as cinzas!
O detalhe ainda mais interessante nesta história, é que empregada Elenise já havia trabalhado na mesma casa anteriormente e havia sido despedida por causa de pequenos furtos!
– Depois de um tempo eu resolvi dar a ela uma segunda chance e a contratei de novo – contou a empresaria furtada pela segunda vez!
Elenise Satiro,41, desta vez saiu do serviço no taxi do contribuinte e foi sentar-se ao piano do delegado de plantão na DP. Para evitar a hospedagem gratuita no Hotel do Juquinha, a doméstica, que não é ladra, mas escorregou nos trezentos e vinte dois reais, terá que desembolsar um salário mínimo de fiança!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s