Ibirá x Astúrias…

Onde acontecem os piores crimes?
Quem nunca foi vitima de perturbação do sossego, que atire a primeira pedra!
Colocação estranha não é mesmo? Foi de propósito. Resolvi começar este artigo pelo avesso! Não sei se vou conseguir sensibilizar alguém com isso, mas é esse o objetivo.
Nunca antes na história deste país o brasileiro falou tanto em direitos… “Dos seus direitos”.
Nunca antes na história deste país o brasileiro – jovem, de classe média, mal-educado, prepotente, insensível, impaciente, aproveitador, sob efeito de drogas licitas ou não – desrespeitou tanto o direito… “dos outros”! E ficou sem punição!

Asturias…

O loteamento Alto Ibirá está localizado no ponto urbano mais alto de Pouso Alegre. Loteamento nobre por conta da mais bela vista da cidade, o local tem sido ponto de encontro de casais de namorados, de usuários se drogas licitas e ilícitas, de pessoas solitárias que querem apenas curtir o silencio da noite da noite ou o brilho das estrelas, e até mesmo de pais corujas que querem mostrar sua cidade a seus filhos, ou quem sabe estudar astronomia! Por estar num local ainda desabitado, com um mínimo de policiamento, o local tem sido palco também de graves crimes contra o patrimônio. Só no curto período de maio a setembro do ano passado sete casais viram o cano frio de um trezoitão a pouco mais de um palmo dos olhos! Alguns chegaram a sentir o cheiro da pólvora…! Outros casais tiveram que beijar o chão frio das largas avenidas ainda desertas e ficaram sem dinheiro, sem lenço, sem documentos, sem celular e sem carro! Tiveram sorte de não ficar em trajes de Adão & Eva!

Asturias…

Os crimes afugentaram os frequentadores do local e naturalmente secaram a mina de ouro dos meliantes que até então surgiam literalmente de trás das moitas sombrias.
O belo bairro, de onde se pode avistar quase todos os bairros da cidade, voltou às páginas policiais no dia 25 de janeiro, com mais um roubo, que culminou com a morte de um estudante dias depois.
No meio do carnaval noticiamos aqui um estupro, segundo a vítima, acontecido no local. Aliás, este, mal contado, ainda vai dar pano para manga!

Alto Ibirá visto do Astúrias…

E o residencial Astúrias? Onde entra nas paginas policiais? Não entra! Perturbação do sossego alheio não tem espaço nas páginas policiais…
Mas deveria.
Tirar o direito líquido e certo do cidadão ao seu descanso é tão grave quanto tirar o ‘radinho’, a bicicleta, o carro, uma nota de cinquenta ou qualquer outro bem material!
É por isso que alguns moradores do bairro Pousada dos Campos, vizinho ao belo Astúrias, estão imolando a justiça em busca dos seus diretos ao descanso noturno.

Astúrias…

João da Silva – vou chama-lo assim para não expô-lo ainda mais aos baderneiros de plantão, e até porque ‘João da Silva’ é o típico brasileiro que diariamente tem seus direitos espoliados por pessoas que ainda não aprenderam a viver em sociedade, e pela própria lei, que no Brasil só existe para inglês ver! – um dos moradores do Pousada, não tem mais o direito de ‘pousar’ em paz! É que o ponto mais nobre do Residencial Astúrias, desde que foi pavimentado e urbanizado, se tornou point de usuários de drogas. Mas João não está nem aí para o que as pessoas andam fazendo no verão… desde que façam – de preferência longe da sua casa – em silencio! Desde que não perturbem o seu descanso. Por isso ele impetrou várias ações na justiça em busca do seu direito ao descanso.

Astúrias visto do Ibirá…

Num dos trechos das inúmeras petições que já encaminhou à justiça, João relata o desconforto causado pelos baderneiros a ele, à sua família e aseus vizinhos:
– Perdemos horas de sono por noite, pois ao acordar com o barulho, não conseguimos mais dormir! Aí temos que chamar e esperar a polícia! E Depois que eles vão embora, quando vão, devido a interrupção do sono, a agitação, o estresse, demoramos horas para dormir – desabafa – com razão – João da Silva.
Em todas as petições que fez ao douto Homem da Capa Preta, Joao da Silva anexou reportagens sobre trabalhos científicos que compravam que “dormir pouco aumenta riscos de doenças, causa confusão mental, reduz a produtividade no trabalho e reduz a expectativa de vida”. Todas as petições são fartamente ilustradas com áudios e vídeos gravados por ele durante as madrugadas de insônia a poucos metros do local da balburdia!

Astúrias visto do Ibirá…

Dentre os baderneiros ‘surdos’, alheios ao direito dos outros ao silencio noturno, pilhados acima dos cem decibéis no Residencial Astúrias, os quais deverão ser chamados na chincha e deverão sentir as iras do artigo 42 da Lei das Contravenções Penais, estão João Pedro Franco Silva, morador do centro de Pouso Alegre e Jung Nam Oliveira, morador do Cidade Jardim.
João Pedro estava curtindo funk e baladas sertanejas na madruga do dia 14 de fevereiro. O som para vizinhança toda saia do seu Chevrolet Onix preto.
Jung Nam também curtia os mesmos ritmos e gêneros através do aparelho instalado no seu Fiat Elba Weekend, a plenos pulmões, na madrugada do dia 25 de fevereiro.
Um deles, ao ser abordado, alegou que estava no local com seus amigos curtindo funk e música sertaneja, para espairecer, por causa da morte de sua avó!
O incomodado João da Silva chama a atenção do signatário da petição para o sutil escarnio do moço:
“Ora, note-se que os infratores, em seu egoísmo, pretendiam festejar após a morte de sua avó, ouvindo funk e música sertaneja (vide vídeos anexos) durante toda a madrugada, como meio de “espairecerem”, perturbando o sossego das pessoas inocentes, ocupadas e já cansadas por seus exaustivos afazeres diários, que moram nos arredores”.
Apesar de ambos estarem infringindo a lei, nenhum deles recebeu as pulseiras de prata.

Um das mais belas vistas da cidade…

A última vez que João da Silva foi trabalhar cansado, mal dormido e estressado, foi nesta quarta-feira,15! É que no meio da madrugada aconteceu outro show de funk ao lado da sua casa. O som vinha do veículo Fiat Bravo branco estacionado no cume do residencial. Eduardo Henrique da Silva, Pedro Henrique Matozzo Medeiros e Debora Matozzo Medeiros Leite, residentes no bairro Tijuca estavam no veículo. Segundo o BO, quando os policiais chegaram não havia som nas ‘alturas’. O trio foi orientado pelos policiais a deixar Joao da Silva em paz!
Segundo João da Silva, a policia militar, embora compareça ao local, constate a ocorrência do crime, libera os infratores no local! E, na maioria das vezes, como de praxe, tão logo os baderneiros veem a última luzinha colorida da viatura sumir na esquina, recomeçam a baderna! Inclusive, à titulo de vingança, ou para comemorar a impunidade, aumentam ainda mais o volume do som!

Por isso, além de noticiar o frequente crime de perturbação do sossego, previsto no artigo 42 da LCP, e pedir a consequente persecução penal aos infratores, João da Silva noticia também suposto crime de “prevaricação”, por parte dos agentes policiais, uma vez que, embora surpreenda os infratores durante o cometimento do crime, de acordo com a Lei 9.099, deveria conduzi-los à presença da autoridade policial, mas não o fazem, incorrendo nas iras do artigo 319 do CP.
João da Silva, fecha sua petição ao magno Homem da Capa Preta com um alerta; apesar dos “ incontáveis casos de perturbação de sossego e outras infrações no loteamento “Residencial Astúrias”, ninguém jamais foi conduzido à Delegacia de Polícia ex lege – o que em muito tem contribuído para a cifra negra e para a impunidade que tanto assolam não só a comarca, mas toda a nação brasileira.
Voltando ao subtítulo da matéria, onde acontecem os piores crimes?
No Alto Ibirá, onde acontecem os crimes contra o patrimônio?
Ou no Astúrias, onde acontecem os crimes contra a pessoa?
No Ibirá, as vitimas vão até lá…
No Astúrias, as vitimas não podem fugir de lá…!

Anúncios

3 respostas em “Ibirá x Astúrias…

    • Não prendem por culpa das supostas vitimas, sim, por culpa das supostas vitimas, pois para que haja a prisão e a condução dos infratores, precisa haver primeiro, as vitimas. O que acontece na maioria das vezes, é que quem está sendo incomodado com o som alto, não quer aparecer, não está disposto a mostrar a “cara”, não quer perder tempo na delegacia, aí fica difícil da PM fazer alguma coisa. S
      em vitima, não há crime!!

      Curtir

      • Marco, é verdade que muitas vitimas, com receio de revanchismo ou vingança dos baderneiros, preferem não colocar a cara a tapa.
        Mas não é o caso do “João da Silva!
        Ele, depois que acorda e não consegue mais dormir, chama a policia, registra toda a perturbação do sossego em áudio e vídeo, entrega à policia e pede providencias!
        Abraços.

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s