Mulher espera 15 dias pela ressureição da mae

Neste 01 de setembro, o Blog completa 4 anos de existência. Para comemorar a façanha, durante todo o mês estaremos publicando uma das crônicas que foram noticia em cada dia corresponde no mês de setembro de 2011.

A da senhora de Santa Rita do Sapucaí, que acreditava que a mãe morta de causa natural ressuscitaria com rezas e incensos, é uma das matérias publicadas no primeiro dia de vida do blog…!

cemiterio

“Outro dia, em 2006, aconteceu um fato inusitado na capital da eletrônica. Não foi tão macabro quanto o esquartejamento em seis partes de Três Corações, mas daria enredo para um bom filme de terror.

Dona T.M.M., 56, vivia com as filhas já titias – porque será que ficaram para titia ? – e a mãezinha já anciã numa viela do bairro Maristela. Vivia literalmente com as filhas e a mãe, pois não se relacionavam com ninguém na vizinhança, devido ao seu ‘gênio difícil’, ou como a própria T.M. diria se fosse perguntada;

-“…porque eles são impuros”!

Apesar de não ter nenhum contato com a estranha família, a não ser visual, um belo dia, vizinhos perceberam que a velhinha de 82 anos não aparecia mais nem na janela da casinha simples do beco. Passaram a observar melhor e começaram sentir um estranho cheiro no ar. Uma mistura de perfume com ervas queimadas e… Carniça! Pior, carniça humana!

Teria a calada velhinha morrido?

Teria ela sido esquartejada e enterrada no quintal?

Os problemas da estranha T.M. eram dela, mas como vivemos em sociedade, alguém resolveu chamar a policia para sentir o cheiro também.

Interpelada na porta da casa a domestica disse que sua mãe estava dormindo. E relutou em deixar-nos entrar. No entanto, agora com a porta aberta, tínhamos certeza; algo não cheirava bem ali…!

Entramos na marra! E o que vimos num quartinho dos fundos da singela e limpa casa causou arrepios e náuseas; sobre a pequena cama de solteiro cuidadosamente forrada com lençol estampado, ornada com desenhos coloridos de quimera, cercada por vasos de flores artificiais, estava a anciã…, plácida, calada e serena… Morta há quinze dias!

Indagada sobre a cena, T.M. repetiu sem titubear que a mãe estava dormindo e poderia acordar a qualquer momento. E ainda acrescentou com convicção…

– Ela não deve ser imolada, pois poderá ser ‘contaminada’ pelos impuros… – disse ela como se fosse uma guardiã.

A retirada da velhinha putrefata da casa da filha, espalhando seu nefasto e inevitável odor pela vizinhança, exigiu escolta policial.

caixão Dois dias depois do enterro voltei ao local a fim de intimar dona T.M., para prestar esclarecimentos em I.P.  Ela ainda estava brava com o ‘seqüestro’ da mãe. Fincou os pés e disse que não iria atender a intimação. Que não estava sujeita às leis dos homens. A única lei que acataria era a do seu deus, o “Deus da Guerra” e só iria à delegacia se o seu Deus assim o permitisse. Mas arriscou à clássica pergunta;

– E seu eu não for à delegacia, o que vai acontecer?

Como todo bom policial que não complica mas esclarece, respondi na virgula, com firmeza mas sem exasperação;

– Não se preocupe,  se a senhora não chegar às duas horas, às duas e dez estarei aqui na porta para lava-la no táxi do contribuinte!  – Quase perguntei se precisava levar pulseiras de prata.

No dia seguinte quando abri a porta da delegacia às duas da tarde, dona T.M. estava lá com sua grande e surrada bolsa estampada a tiracolo, agarrada ao braço de uma filha taciturna. Fingiu que não me viu, mas logo que virei as costas, entrou atrás de mim e foi direto ao cartório do escrivão Erasmo prestar depoimento.

Ela não cometera nenhum crime. Nem mesmo vilipendio de cadáver. Sua mãezinha havia morrido de velha. Ela só tinha que ser avisada e mudar-se de cemitério! O homem da capa preta na certa deve ter pedido o arquivamento do processo e nunca mais ouvimos falar na mulher que queria ressuscitar a mãe depois de 15 dias… Com incensos e preces ao ‘Senhor da Guerra’”!!!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s