Policia Civil apura ‘assassinato’ do Ponto Certo

Sadraque Elias caldeira, o “assassino” de Jefferson…Sadraque Elias Foram necessárias pouco mais de três horas, desde que a policia civil entrou no caso da tentativa de homicídio ocorrida na porta da Lanchonete Ponto Certo, para chegar ao atirador. Pelo menos à sua identificação! Trata-se da pessoa de Sadraque Elias Caldeira, morador do Aterrado. A policia não divulgou seu nome na tarde de ontem, na expectativa de prendê-lo ainda em flagrante. Mas, apesar de todas as investidas, ele não foi localizado. Imagens gravadas por uma câmera de circuito externo de uma empresa nas proximidades do local do sinistro mostram parte da contenda envolvendo os frequentadores do local. Os socos, pontapés o tiro e agonia do jovem “Jé”, que fora preso e solto 48 horas antes de receber o tiro na cabeça.

Sadraque Elias Caldeira: Eles estavm armados... Atirei antes que eles atirassem em mim!

Sadraque Elias Caldeira: Eles estavam armados… Atirei antes que eles atirassem em mim!

A briga começara minutos antes no interior do bar entre Jefferson e seus amigos, possivelmente um dos mesmos que fora detido na madrugada de sábado na briga do Consulado e seus desafetos. Continuou defronte o bar quando um dos amigos de “Jé” passou a chutar o carro de Diego Walace Pereira, amigo de Sadraque. Em ‘defesa do patrimônio’ trocaram sopapos no meio da rua em volta do carro até que Sadraque sacou o revolver que trazia nas costas e deu um único tiro à queima roupa na cara de “Jé”. O carro deixou o local levando o “assassino” e seu amigo Diego, pivô da confusão e logo apareceram mulheres jovens, bem vestidas na madrugada, para constatar o óbvio: Jefferson fora baleado na cabeça! Os médicos ainda não emitiram nenhum boletim oficial, porém, as informações não oficiais apontam para morte cerebral do jovem Jefferson Henrique Sergio Mendes, pois o projétil do 38 atravessou a cabeça, danificando a massa encefálica. Diego Walace Pereira, dono do carro danificado, o qual deu fuga para Sadraque, deverá se apresentar no final da tarde desta terça para prestar depoimento, acompanhado naturalmente de seu advogado. O “assassino” Sadraque Elias ou seu representante ainda não se manifestou. Os pupilos do delegado Gilson Baldassari no entanto, apuraram que minutos após o crime ele teria ligado para sua mãe, informando o ocorrido, dizendo que não tinha intenção de matar “Jé”, mas sabia que alguns dos desafetos estavam armados e atirou antes que atirassem nele. Esgotado o prazo para prisão em flagrante, o delegado Gilson Baldassari deverá pedir ainda hoje sua prisão preventiva.

Comentários